A história das guitarras Squier Stratocaster e Telecaster

A história das guitarras Squier Stratocaster e Telecaster
Comparte este artículo en

Por Martín Olmos

História da Squier, nascida para lutar contra cópias, hoje uma das marcas de guitarras mais vendidas do mundo, até que a Fender.

História: os primórdios do Squier

Squier é reconhecido mundialmente por todos os aficionados por instrumentos musicais como uma marca subsidiária da Fender. Mas para conhecer as origens desta tão polémica “segunda linha” da conceituada marca, é preciso recuar no tempo, até meados do século XIX.

Jerome Bonaparte Squier foi um imigrante inglês e renomado Luthier que trabalhou junto com seu filho, Victor Carroll Squier, em sua oficina localizada na cidade de Boston, Estados Unidos. Lá, eles não apenas consertavam, mas também construíam violinos. Seus violinos eram altamente considerados e frequentemente chamados de “Stradivarius americano”.

Violinos Jerome B. Squier (JB Squier).

Squier, fábrica de cordas para instrumentos musicais

Já no ano de 1890, Victor, filho de Jerome, decide se separar do pai abrindo sua própria loja em Michigan, Estados Unidos. Uma vez estabelecida, inicia-se a fabricação de cordas para violinos, banjos e violões. Que tinha o sobrenome Squier já reconhecido. Seu negócio cresceu rapidamente, e ele passou da fabricação manual à industrialização. Para fazer isso, ele transformou uma máquina de costura a pedal em um enrolador de cordas. Assim, ele foi capaz de produzir 1.000 cordas de boa qualidade por dia a um preço razoável. Isso permitiu que se tornasse popular em todos os Estados Unidos.

Nos anos 50 do século 20, quando a Fender Electric Instruments iniciou a produção das novas guitarras elétricas, a VC Squier forneceu cordas para elas. Em 1963, a VC Squier Company tornou-se o fornecedor oficial de cordas para seus instrumentos Fender, que eram comercializados sob a designação Squier.

Fender adquire VC Squier Company

Em 1965, a VC Squier Company foi comprada pela Fender em uma decisão comercial de muito sucesso. É importante destacar que neste momento a empresa se dedicava exclusivamente à fabricação de cabos. Como resultado dessa fusão com a gigante da guitarra, parte de sua equipe se mudou para uma nova fábrica de cordas de baixo fundada um ano antes, a GHS.

VC Squier Cordas "Esquier String" para Guitarra Elétrica Espanhola.

Nesse mesmo ano, 1965, Leo Fender vendeu a empresa para a CBS.

Em meados da década de 1970, a marca Squier foi retirada do mercado e as cordas passaram a ser comercializadas como Fender.

Então, após vários anos de queda nas vendas, em 1981, o novo dono da Fender incorpora três executivos para reverter a situação da empresa. Eles eram John McLaren, William “Bill” Schultz e Dan Smith, com experiência comprovada no ramo de trabalho com instrumentos musicais da Yamaha nos Estados Unidos.

Dan Smith lembrou que uma das primeiras coisas que fez para começar a entender por que as vendas caíram foi “ouvir as reclamações dos usuários”. E um deles era a grande diferença que existia nos contornos dos corpos das guitarras que eram empilhadas na fábrica. Porém, naquela época de abandono, que mais do que tudo respondia à ideia de conceber modelos mais acessíveis para aumentar as vendas, estas aumentaram, atingindo o seu objetivo básico.

Guerra contra imitações japonesas

O mercado estava repleto de cópias espalhafatosas e, em alguns casos, clones antigos da Fender de origem japonesa. Algumas cópias japonesas eram de muito boa qualidade com preço baixo.

Assim, dentro das vastas estratégias de revitalização da marca estava o combate às imitações ou “falsificações” japonesas. Entre as fábricas imitadoras estava Tokai, uma das maiores e melhores “copiadoras”. Ele não apenas copiou produtos Fender, ele também copiou modelos Gibson.

Publicação contra imitações Tokai japonesas.

Apesar do fato de que o objetivo era competir com as cópias de menor preço no lucrativo mercado japonês, o Japão terá um papel mais do que fundamental na história da Fender e, claro, da Squier. Na terra do sol nascente, as primeiras estratégias comerciais e de marketing nasceriam através de “segundas marcas”.

Então o dilema era como criar um produto competitivo sem perder qualidade. Então, todos os olhos dos executivos da Fender se voltaram para o Japão.

O Japão teve um excelente nível de fabricantes. As mesmas cópias eram de excelente qualidade e eram uma competição séria para a American Fender.

Em uma entrevista em 1978, Paul Stanley, um dos lendários membros do Kiss. Contava sobre sua recente visita às instalações da Ibanez no Japão. Destacando o incrível nível de profissionalismo e acabamento que os instrumentos ali fabricados possuíam. Vale ressaltar que a Ibanez fabricou um modelo exclusivo para Paul Stanley.

Fender pousa no Japão

Em março de 1982, a CBS estabeleceu suas operações no Japão. Assim, a Fender Japan, Ltd., uma aliança entre a Fender Musical Instruments Corporation, a Yamano Music Instrument e Kanda Shoki foi fundada.

Catálogo vintage Fender Japan Stratocaster '57.

Em maio de 1982, a Fender Japan tinha seis modelos de guitarra e baixo em estilo vintage: ’57 e ’62 Stratocaster, ’52 Telecaster, ’57 e ’62 Precision Bass® e, finalmente, ’62 Jazz Bass®.

Inicialmente a comercialização das guitarras feitas por esta aliança era no mercado japonês. Mas logo, dada a excelente qualidade das guitarras e seu baixo custo, e a enxurrada de cópias japonesas inundando o mercado europeu, a Fender também está exportando as guitarras para a Europa. Para fazer isso, ele usou uma nova marca, e assim nasceu a história das guitarras Squier.

Catálogo Vintage Fender Japan Stratocaster '62.

Fender revive a marca Squier

Para competir com as cópias japonesas no velho continente, a Fender exporta suas guitarras japonesas sob a série Squier. A primeira série é conhecida como Squier JV, de Japanese Vintage.

Anúncio de guitarra Squier 1983-1984.

Assim, enquanto as Fender Japan são distribuídas exclusivamente no país japonês, praticamente essas mesmas guitarras, da série Squier, são comercializadas no mercado europeu.

É por isso que o Squier do início dos anos 80, o JV, são tão valorizados. Esses primeiros Squier’s nada mais são do que Fender Japan com mudanças mínimas. Um pequeno logotipo da série Squier no cabeçote onde o decalque Original Contour Body normalmente apareceria , e um bloco de zinco tremolo mais barato em vez do usual de aço. Até músicos da estatura de George Harrison, John Mayall, Steve Rothery e Yngwie Malmsteen, entre outros, os tocaram.

Cabeçote Fender Squier Series Stratocaster Japan, conhecido como Squier JV.

As Fender Squier JVs foram fabricadas entre 1982 e 1984. Primeiro com o decalque Fender com a série Squier em 1982. Então, a partir de 1983 e uma queda na qualidade das guitarras, embora ainda fosse alta, a Fender decidiu mudar o decalque Squier grande e separar o por Fender . Então, em 1985, com os novos modelos de entrada, surgiu o hoje conhecido Squier by Fender , tornando-se, definitivamente, uma segunda marca barata. O resto já é história conhecida de Squier.

Cabeçote Squier JV de 1983 e 1984.

Como nasceram as guitarras Squier?

O surgimento das guitarras Squier foi uma questão de acaso, ou melhor, de improvisação. Dada a falta de previsão para registrar uma “nova marca” para esta série, e evitar toda a burocracia de prepará-la e registrá-la, optou-se por usar a marca Squier, uma vez que a Fender já possuía seus direitos. Colocou-se assim à venda um instrumento de menor valor, praticamente a metade de uma Fender americana, mas também de muito boa qualidade. Assim, quem não pudesse ou quisesse pagar o preço de uma Fender, poderia comprar uma guitarra barata de qualidade sem ter que comprar uma cópia, já que contava com o aval da empresa fundada em Fullerton, Califórnia.

Assim, em 1983, a Fender começou a comercializar guitarras Squier nos Estados Unidos, oferecendo ao mercado uma “cópia oficial” a preços baratos.

Publicidade de guitarra Squier em 1985.

Fender Japan no mercado dos EUA

No entanto, todas essas estratégias para reverter a situação financeira da Fender falharam em evitar uma nova crise em 1984. Assim, a CBS coloca a Fender à venda. Um consórcio de funcionários e seu atual presidente, William Schultz, compra a empresa.

Notavelmente, a fábrica Fullerton não foi incluída na venda, forçando, ironicamente, que muitos dos instrumentos feitos durante 1985 vieram da fábrica localizada no Japão, enquanto a Fender preparava sua nova fábrica. A nova fábrica da Fender é a atual em Corona, localizada a poucos quilômetros de Fullerton, Califórnia.

Fender Stratocaster ST62 Japan.

Evolução das guitarras Squier

Com o passar dos anos, a Fender ampliou sua lista de produtos, desde séries muito mais caras como Custom Shop, American Vintage, Deluxe, entre outras, até modelos mais econômicos, como as linhas Mexico ou American Special. Squier foi reservado para as faixas de nível de entrada, ou seja, para guitarras iniciantes.

No entanto, o sucesso do Squier permitiu-lhe incorporar novas séries e modelos de qualidade superior, como as excelentes séries Classic Vibe ou Deluxe, que estão muito próximas do nível das gamas Fender inferiores. Desta forma, hoje, Squier não é mais uma opção para iniciantes, mas para guitarristas de qualquer nível que procuram uma alternativa barata ao americano Fender.

Notícias Squier

A surpreendente história da Squier nos mostra que de uma ideia inicial dirigida apenas para competir com cópias da terra do sol nascente, a marca conseguiu superar em muito aquela estratégia que emergiu quase na última reunião do conselho da CBS na Fender.

Squier Paranormal - Sua opinião sobre a série Fender Parallel Universe.
Squier Paranormal: sua opinião sobre a série Fender Parallel Universe

Hoje Squier ocupa um lugar privilegiado entre todas as marcas de guitarras, sendo uma opção mais do que competitiva e uma das marcas mais vendidas no mundo. Não só para o guitarrista iniciante, mas também para o músico amador ou profissional.


Você pode compartilhar opiniões ou também conversar sobre isso e muito mais com outros músicos na seção de comentários.

Siga-nos também no nosso Instagram @guitarriego ou no Facebook (em espanhol).  

Artigo relacionado: Fender vs Squier Stratocaster: diferenças e características.


Comparte este artículo en

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *