Múltiplas fontes: tudo que você precisa saber

Comparte este artículo en

Por Eric Jacobs (*)


É comum que, ao preencher nosso pedalboard, recorramos a múltiplas fontes para alimentar nossos pedais, mas há várias coisas que devemos levar em consideração.


Força do pedal

Há uma grande quantidade de pedais e muitos outros muito antigos que não usavam o padrão Boss para acioná-los. O padrão Boss é 9Vdc com centro negativo, um plugue de 5,5 mm e um pino de 2,1 mm. Mas existem muitas outras possibilidades em relação ao tipo de plugue, conexão de aterramento, polaridade, etc. Existem até pedais que funcionam com alternativas, geralmente aqueles que usam um pino de 2,5 mm. Por exemplo, o PNP Germanium Fuzz usando o terreno positivo. Isso torna o uso da mesma fonte incompatível para todos, a menos que inclua todas essas possibilidades.

Muitos pedais têm proteção de polaridade reversa, então se a tensão estiver conectada com polaridade reversa, um diodo interno limita a tensão a 0,6 V para evitar danos ao pedal, mas uma corrente significativa fluirá que Depende da capacidade de saída utilizada da fonte. Se o limite de saída for 100mA, não há problema, mas se o limite de saída for 1,5 ou 2A, o diodo de proteção pode queimar e queimar o pedal.


Múltiplas fontes e suas especificações

A maioria das fontes múltiplas usa uma fonte de chaveamento para diminuir 220Vac ou a tensão nominal do país, para uma tensão contínua entre 12 a 24Vdc. A vantagem dessas fontes de chaveamento é que elas se adaptam a tensões de 100 a 240Vdc sem a necessidade de mexer em nada, basta usar um adaptador de soquete para se adaptar a cada país.

Várias fontes

Após a fonte de chaveamento, vêm os reguladores lineares que eliminam o ruído de chaveamento residual e fornecem 9 Vcc para cada saída. Esses reguladores têm proteção contra curto-circuito, que pode ser 100mA, 1A ou mais. Isso é o que está indicado em cada uma das saídas. É o limite quando um curto-circuito é causado (conecte o positivo com o terra). Quando conectamos um pedal a uma saída de 100mA, 100mA não circulará, apenas o que o pedal precisa irá circular. Se o pedal consumir mais de 100mA, a saída será fechada devido à sobrecorrente e o pedal não funcionará. Outras vezes acontece que o consumo é muito para uma saída e limita por temperatura, e isso é feito ciclicamente, porque corta, esfria, reenergiza, reaquece e corta novamente.

Em geral, o consumo do pedal é indicado nos pedais. Pedais analógicos raramente consomem mais de 100mA. Os pedais digitais raramente consomem menos de 200mA, e isso nos ajuda a distinguir uma família da outra.


Pedais digitais ou analógicos

Precisamos saber se o pedal é digital ou não, porque não podemos alimentar pedais digitais com fontes que têm um terreno comum. Se fizermos isso, o ruído do processo será colocado na cadeia de áudio. Bips que variam em frequência são ouvidos quando alteramos a configuração do pedal digital.

Existem várias fontes que possuem saídas flutuantes, o que significa que não possuem o aterramento comum. Essas fontes permitem alimentar pedais analógicos e digitais simultaneamente sem problemas.

O outro problema com o uso de um terreno comum é a formação de loops de massa. Um loop é formado para cada interpedal. Da mesma forma, o ruído que isso gera pode ser reduzido se distribuirmos os cabos de força bem colados aos interpedais para reduzir a área do laço. E em paralelo afastamos do pedalboard os transformadores, que são os que produzem campos magnéticos ruidosos.


(*) O autor é o renomado fabricante de amplificadores, pedais e outros produtos “Jake Amps”.

Fonte: https://www.noujautronica.com.ar/blog/author/Eric-Jacobs


Você pode compartilhar opiniões ou conversar sobre isso e muito mais com outros músicos em nosso fórum: https://guitarriego.com/foro/

Siga-nos também no Instagram @guitarriego ou Facebook: https://m.facebook.com/guitarriego/


Comparte este artículo en

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.